Total de visualizações de página

sábado, 23 de junho de 2018

Outfit #171

E eis que aqui está um outfit com a blusinha que mostrei há uns posts atrás. Lindona, right?


ADORO esta combinação de uma cor mais marcante com o branco.


E estas sabrinas brancas?


Ainda me pergunto como não me lembrei desta cor para umas sabrinas mais cedo.

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Acho que quem não dá nada pela Primark...

... fica a perder um MUNDO de opções giras, baratas e na moda!

Ora vejam só as minhas últimas delícias por lá:


Não ia a contar comprar um soutien mas, achei-o irresistível e foi impossível deixá-lo lá!


Este fato-de-banho. Aiii esta fato-de-banho! Não fala mas, GRITA Verão!!!


Este camiseiro com este padrão tipo inglês. E estes folhos... Eu sei que tenho muitos camiseiros/tops/blusas parecidos com este mas, são lindos... 


E quem diz branco, diz vermelho... Tem igualmente o tecido típico inglês e uns detalhes que eu NÃO AGUENTO de tão mimosos que são!!!


E esta saia? Tem folhos!!! Ahhh. E eu nem sou de saias...


E pronto, estes foram os estragos em roupa que fiz na Primark. Aiii!!!

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Ainda sobre a FLL mas, não são livros!!!

A FLL não se faz SÓ de livros, não é verdade?

Também por lá comprei um marcador.

E tem uma história. História essa que só fiquei a conhecer depois. Mas, mesmo sem história, o marcador é tão lindinho!!!


Quem também se perde com marcadores? É que eu sofro desse «mal»...

quarta-feira, 20 de junho de 2018

A FLL acabou mas...

... a minha «fome» por livros não. Inclusive comprei-os quando ainda estava a decorrer a Feira.

Querem ver quais são os livritos que desta vez me chamaram a atenção?


COMPLETAMENTE influenciada pelo Clube de Leitura comprei este «Não respire» do Pedro Rolo Duarte (que infelizmente já não se encontra entre nós) e que tem esta sinopse:

"Há palavras que se tornam estigmas, condenações, tabuletas na testa de quem subitamente é forçado a viver com elas. Mais de 30 anos de jornalismo, a conviver todos os dias com palavras e os seus significados, podem ainda assim deixar de fora esta ideia, na premissa de que as palavras são todas iguais, saem direitinhas no ecrã do computador, e mais perfeitas ainda na impressão do jornal, ou na paginação fria do tablet. Não são e essa foi a primeira surpresa que tive. 

Um dia acordei com uma palavra mais na vida, e falei dela com os mais próximos como se fosse apenas uma palavra mais. Rapidamente a ilusão desapareceu - como se, na verdade, alguma vez tivesse existido. 
Um poema não tem vida própria? Tem. 
Uma carta de amor não é um coração vivo, que bate e se sente? Claro que sim. 

Porém, como fiz das palavras profissão, nunca deixei que me escapassem da mão. Brinquei, joguei com elas, até as enganei - mas jamais permiti que se libertassem, como um filho aos 18 anos, ou que me dessem problemas, como um adolescente tonto. Fui-lhes fiel e leal - e exigi-lhes o mesmo. 

Cumpriram. Até agora. Até ao dia em que uma palavra me deixou, a um tempo, carimbado, abalado e quase triste. Reconheço: acarinhado, também. Tudo ao mesmo tempo. 
A palavra: cancro."


E comprei mais um thriller com um título com GRANDE IMPACTO!!!


A sinopse deste menino é esta: " Se há alguma coisa pior do que um pesadelo é que esse pesadelo se repita. e entre os nossos piores sonhos, os de todos, poucos causam mais angústia do que uma criança que desaparece sem deixar rasto.

É isso o que ocorre no início deste romance: num centro comercial, no meio do bulício de uma tarde de compras, um predador mantém-se à espreita, à coca, escolhendo a presa que está prestes a arrebatar."


JÁ comecei a ler um deles. 

Será que alguém consegue adivinhar qual?

terça-feira, 19 de junho de 2018

Silêncio! Vamos gravar... Som! Câmara! Acção! #59

Acho que este trailer me passou pela primeira vez pela frente num dos últimos filmes que fui ver ao cinema. Claro que ficou "marcado" como um dos que eu queria ir ver num futuro próximo. E ao contrário de tantos outros isso acabou por acontecer. Estou a falar do filme «Tully» que tem este trailer: 


"It's not a mummy movie!" - Pelo menos esta é a minha perspectiva. Acho que é interessante do ponto de visto sociológico o quanto a vida de uma mulher muda e a sua visão do Mundo depois de esta ser mãe.

E este filme é sobre isso. E não só...

O filme relata toda a viagem que se desencadeia depois de ela ser mãe uma terceira vez.



Acho que é um filme interessante apesar de não ser um filme para «todos». No entanto, não acho que seja um filme só para quem é mãe ou quer ser. Para mim, o filme é mais abrangente!


E não é um filme linear... É um filme com um desfecho pouco previsível. E interessante!


Aproveitem este calor (intenso!) e vão ver este filme!

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Leituras de 2018 #12

Ouvi falar deste livro e fiquei interessada. Mas, entretanto esqueci-o. Deparei-me com ele na FLL e decidi trazê-lo. (Confesso que acho que a capa é a minha cara!)

Mas, fui ao engano... Estava à espera de uma abordagem diferente... E fiquei triste pelo facto de o livro não ir de encontro às minhas expectativas!

É de uma leitura muito fácil (apesar de eu ter detectado alguns erros) mas, não me acrescentou nada. Cheguei a pensar em desistir de o ler todo mas, depois caso parasse a leitura de certeza que não lhe voltava a pegar. Quase que tenho pena dos euros que dei para o comprar mas, agora não há nada a fazer...

Pelo menos conta para a minha estatística mas, quase que senti que estava a perder tempo e acima de tudo senti muita diferença entre este livro e os outros livros que leio que são de histórias.



De qualquer maneira, deixo o sinopse do livro:"Aristocratas, falidos, tios, candidatos a jet-setters… Croquete, papa-festas… Sabe como vivem todos eles? Do que vivem? E os paparazzi? Que é feito deles desde que os famosos passaram a ser paparazzi de si próprios e usar as redes sociais para pôr a vida toda ao sol? Quem são as verdadeiras estrelas planetárias? O que é preciso para fazer uma boa festa? Quem tem acesso? Há mesmo álcool e drogas e meninas e meninos dispostos a tudo? O que se passa à porta fechada neste mundo de glamour?
Planeta cor-de-rosa mergulha neste universo das celebridades e da vida faz-de-conta que é mostrada nas revistas de sociedade, nos sites, na televisão, nas redes sociais. Luísa Jeremias, que dirige publicações deste segmento há mais de 15 anos, leva-nos numa viagem pelos bastidores deste mundo de brilho e de fantasia, desvendando histórias e segredos e explicando como se faz, afinal, a relação entre imprensa e famosos. Quer saber como tudo acontece? Venha daí e entre neste planeta cor-de-rosa, onde nem tudo é o que parece…"

domingo, 17 de junho de 2018

Perco-me...

... eu perco-me COMPLETAMENTE na Primark!

É quase certo e sabido que se lá entro não saio de lá de mãos a abanar!

Na última ida foi tudo muito pink (claro!). Confirmem lá:


Um quadro que dá para colocar a frase que eu quiser. (Das cores do meu quarto!)


Bolsas, bolsas, bolsas. Praia, praia, praia!


Mais uma que grita «praia»! E esta é a minha P-R-E-F-E-R-I-D-A!!!


Shampoo seco da Batiste e cor-de-rosa, claro!
 

Um caderninho bem fofinho.


E um caderno LINDÃO!!!

Para o fim deixei aquilo que não é pink mas, que de qualquer maneira foi completamente de encontro aos meus gostos.


Esta fita com bolinhas foi agarrada imediatamente depois de a ver!


Achei os brincos engraçados. Acho que são daqueles pares que podem conferir um toque muito elegante a um outfit.

Queria só fazer uma espécie de terapia de grupo: vocês são como eu e quando entram na Primark dificilmente saiem de lá sem nada?